Chocolate adequado e na medida certa faz bem à saúde

brph_bem-estar-chocolate-interna_pt-en

Os flavonoides, substâncias encontradas no cacau, contribuem para o bom funcionamento do organismo

Você se considera um chocólatra? Se sim, o hábito pode se reverter em ganhos para a saúde. Estudos atestam que, entre outros benefícios, o alimento reforça as defesas do corpo, protege o coração e previne o envelhecimento.

Porém, nem todos os chocolates podem se reverter nesses ganhos. Segundo especialistas,  bons são os que contêm, no mínimo, 55% de cacau. Com essa composição, portanto, os indicados seriam os chocolates amargo ou semi-amargo. Os outros tipos, como o chocolate ao leite e o branco, devem ser evitados. Ambos são ricos em gorduras saturadas, que aumentam os níveis de colesterol ruim.

O segredo do chocolate amargo está na altíssima concentração de certos flavonoides, substâncias encontradas no cacau. Elas elevam a produção de óxido nítrico, que é um vasodilatador natural. Com isso, o sangue consegue percorrer as artérias mais livremente, promovendo a queda da pressão.

Esses flavonoides também agem no sistema imunológico, segundo outras pesquisas. O consumo frequente estimula a produção de linfócitos e os macrófagos, células que ajudam a produzir anticorpos. Os flavonoides também contam com substâncias antioxidantes, que previnem o envelhecimento precoce.

Ainda que os chocolates com maior concentração de cacau sejam os mais indicados, o consumo deve ser moderado. O excesso pode causar distúrbios gastrointestinais, como a diarreia. Nutricionistas recomendam que o ideal seriam até 30 gramas de chocolate por dia.

X